Rafael Carneiro Garcia

Archive for August, 2011|Monthly archive page

Xingando Muito no Twitter

In facebook, Orkut, TV on August 30, 2011 at 2:58 pm

Giovanna Lancellotti ficou chateada por perder a sua conta no Facebook. O perfil da atriz foi deletado após denúncias de que seria de alguém querendo se passar por ela.

Eis os tweet da moça:

“Mentira que deletaram o meu Facebook achando que eu era fake! Mentira, mentira, mentira”

“NÃÃÃÃO!!!!.. Eu quero meu Facebook !!! =( tô triste”

“Af Facebook, seu escroto.. cortei relações! Ok, minha próxima conta do Facebook vai ser algo do tipo ESTRELA GUIA. quero ver me denunciar! =( ..”

“Voltei para o ORKUT, beijo”

“Ok, fiz outro! To de bem! Hahaha”

Depois de não conseguir dormir, Mark Zuckerberg pediu desculpas e tudo ficou resolvido entre o jovem bilionário e a suposta Giovanna Lancellotti, denuncias indicam que o Twitter também seja fake.

É ou não é mais um prego no caixão do Orkut?

Advertisements

Revista Veja vs José Dirceu – A Batalha dos Horrores

In José Dirceu, Política, PT, Reinaldo Azevedo, Sábado on August 27, 2011 at 4:21 pm

Guerra que segue…

José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil, continua sendo o alvo preferido pelas mídias “investigativas”.

A Revista Veja desta semana produz uma farta matéria sobre o petista, o que não esperava era uma investida tão forte do seu “adversário”, com uma acusação seríssima: A de violação de domicílio.

Vamos aos dois lados da moeda:

Blog de José Dirceu com o acontecimento narrado pelo próprio.

BO apresentado por José Dirceu em seu blog pessoal.

Blog do Reinaldo Azevedo “apresentando” a matéria que estampará a capa da revista nessa semana e também “explicando” a tramóia do ex-ministro contra a Veja.

Fotos do “Gabinete” do petista em Brasília

Escolha seu lado, ou pegue a sua pipoca, pois mais uma vez essa batalha é feita por vilões.

Aliás, os mocinhos até existem, dou um doce para quem advinhar quem paga o pato nessa guerra de interesses.

“Ausência” – Vinicius de Moraes

In Dica, Educação, Nordeste, Vinícius de Moraes on August 26, 2011 at 11:13 pm

Não é sábado, ainda, porém gostaria de compartilhar essa bela interpretação de parte do poema “Ausência” de Vinicius de Moraes.

A passagem faz parte do documentário “Pro Dia Nascer Feliz“, que fala sobre a educação no Brasil (torrent aqui).

O nome da jovem que recita o poema é Valéria, moradora de uma das regiões mais carentes desse serviço básico no Brasil. Aliás, é compreensível, e até muito significativo, que ela termine nos versos:

“Para que eu possa levar uma gota de orvalho dessa Terra Amaldiçoada.”

O sotaque é uma atração a parte. Tomara que vocês, assim como eu, fiquem por algum tempo com a lembrança dessa voz pronunciando esses versos.

Ausência – Vinicius de Moraes

Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces
Porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto.
No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida
E eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz.
Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado
Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados
Para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada
Que ficou sobre a minha carne como uma nódoa do passado.
Eu deixarei… tu irás e encostarás a tua face em outra face
Teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada
Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu, porque eu fui o grande íntimo da noite
Porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa
Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço
E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.
Eu ficarei só como os veleiros nos portos silenciosos
Mas eu te possuirei mais que ninguém porque poderei partir
E todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas
Serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada.

Domingo…

In Domingo, Família, Manaus on August 21, 2011 at 5:56 am

…o Dia para se estar com a Família, no seu Lar.

Hoje poucas coisas me dão tanto a sensação de casa do que essa imensidão, esse progresso, essa sensação de chuva por vir, essa vista tão familiar.

Ponte de Manaus à Iranduba sobre o Rio Negro – Créditos à wifara

Pouco a pouco me torno refém de Manaus, longe dela.